quinta-feira, 29 de abril de 2010

Fotos Cinebar especial Dia da Terra

cilque nas fotos para ampliar




Apesar de toda a correria de um dia de semana, entre feriados e compromissos, várias pessoas reservaram um espaço na agenda para ir ao Goma no dia 22 de abril e prestigiar o Dia da Terra.

Angá e Carta da Terra levaram ao Goma filmes, fotos e muita informação sobre os grandes impasses do novo século que se refletem na questão ambiental.

Essa foi apenas a primeira de uma série de atividades dessa nova parceria Goma-Carta da Terra e Angá.

Através desses encontros, esperamos abordar de forma clara e positiva questões ambientais locais e globais, discutindo novas idéias que promovam a sustentabilidade sócio-ambiental.

Até o próximo encontro, e não esqueça sua caneca!

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Nossa inspiração


O Angá - ou ingá - é uma árvore que habita margens de rios.

Ela produz um fruto parecido com uma vagem que serve de alimento para vários animais, como peixes e aves.

Por essas peculariedades, a árvore angá interage com a água, terra, ar e luz.

Assim, nosso logotipo é composto pelo desenho de um fruto do angá estilizado, com gotas dentro da "vagem", fazendo alusão à agua.

As quatro cores distintas representam os elementos da natureza.

A identidade visual foi criada pelo designer Giulio Pascoli.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Cinebar une coletivos ambientais para o Dia da Terra


Goma, Carta da Terra Uberlândia e Angá apresentam

CineBar especial Dia da Terra

Quinta-feira 22/04/10

Goma – Floriano Peixoto, 12
Entrada gratuita, traga sua caneca!

Programação:
20h Abertura da casa
20h30 “Simbiosis – piano e bosque chuvoso” Dir. Manuel Obregón
22h “Era da Estupidez” Dir. Franny Armstrong
Bate papo ambiental após os filmes

Sobre o Dia da Terra
O Dia da Terra marca o aniversário do nascimento, em 1970, do movimento ambiental, como o conhecemos hoje. O Dia da Terra (22 de abril) foi realizado em 22 de abril de 1970, quando o U. S. senador Gaylord Nelson incentivou os estudantes a desenvolver projetos de conscientização ambiental em suas comunidades. Em 1990, o Dia da Terra se tornou um evento global, e que mobilizou 200 milhões de
pessoas em 141 países e desempenhou um papel fundamental nas questões ambientais em todo o mundo.

Nesta edição do CineBar, em parceria com GOMA, a data será celebrada em Uberlândia com a apresentação o vídeo “Simbiosis” e do filme “Era da Estupidez”, seguidos de um bate-papo ambiental. Lembrem-se de trazer canecas de plástico ou alumínio ao evento!

“Simbiosis – piano e bosque chuvoso”. Dir. Manuel Obregón
Nossa programação começa às 20:30h. O vídeo “Simbiosis – piano e bosque chuvoso” é uma produção de Manuel Obregón, músico costarriquenho, que apresenta um “diálogo” da música com os sonsnaturais da floresta. Segundo o autor, “Simbiosis” oferece um concerto no bosque chuvoso da Costa Rica onde o piano e as imagens se articulam com harmonia entre o bosque e seus habitantes. Inclui,também, um inventário com informação, vídeo clips e gravações de mais de 60 espécies da flora e fauna de um bosque chuvoso.

“Era da Estupidez”. Dir. Franny Armstrong
Meio ficção, meio documentário, estrelado por Pete Postlewhaite explora as conseqüências do chamado cenário “mesmo de sempre”, no qual as emissões de dióxido de carbono por atividades humanas
continuam subindo sem parar. O ano é 2055. Catástrofes naturais causadas pela mudança climática, seguidas de guerras, levaram ao colapso da civilização e à quase extinção da humanidade. Numa torre solitária, num Ártico livre de gelo, um sobrevivente reprisa vídeos do começo do século, quando as catástrofes começaram a acontecer. E se pergunta: “Por que não salvamos a nós mesmos quando tivemos a chance?” É esse o argumento de “A Era da Estupidez”, filme que pretende mobilizar a opinião pública para a crise ambiental em que estamos todos mergulhados.

Essa atividade conta com a parceria do coletivo da Carta da Terra Uberlândia e da ONG ANGÁ que querem contribuir com a conscientização e o debate a cerca da realidade atual. Buscamos compreender que para além das catástrofes naturais – terremotos, ciclones, e no caso do Brasil enchentes, deslizamentos de morros, mortes de centenas de pessoas - essa realidade que atravessamos expressa um problema social e que necessita da construção de políticas públicas (planejamento urbano, saneamento básico, etc) que incorporem a maioria da população. Pensamos que esta atividade permite que mais pessoas possam ampliar sua consciência individual e comunitária e, também, buscar desenvolver ações em sintonia com o desenvolvimento sustentável.